Living Design | Arquitetura inteligente
371
post-template-default,single,single-post,postid-371,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode_grid_1300,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-content-sidebar-responsive,qode-theme-ver-17.2,qode-theme-bridge,disabled_footer_bottom,qode_header_in_grid,wpb-js-composer js-comp-ver-5.6,vc_responsive

Arquitetura inteligente

Recentemente, tive a oportunidade de assistir uma palestra sobre a sustentabilidade nos processos construtivos. Ministrada pelo paulista engenheiro industrial e doutor em engenharia civil Carlito Calil Neto (33), a apresentação tratou de um assunto complexo, visto que o setor é responsável por 39% das emissões de gás carbônico na atmosfera associadas ao consumo e à produção de energia, segundo a Organização das Nações Unidas. Para melhorar esse cenário, profissionais mundo afora têm sido desafiados atualmente a criar projetos inteligentes e de pouco impacto ao meio ambiente, como no caso de Calil. E eu fiquei tão interessada no que ele disse que visitei a sua empresa, a Rewood, em Taboão da Serra, em São Paulo, de solução sustentável para o setor, que construiu a cobertura de acesso ao bondinho do Pão de Açúcar, na cidade do Rio de Janeiro, ao lado. Calil é especialista na técnica de produção de MLC (madeira laminada colada), patenteada em 1906, que permite uma construção pré-fabricada industrialmente com um tempo de obra três vezes mais rápido do que os processos tradicionais. Isso acontece porque o material é leve, de fácil manuseio, sem limite de curvatura e vão (hoje já existe prédio de 18 andares de madeira), além de apresentar estabilidade dimensional e resistência, combinar com outros elementos e, principalmente, ser renovável e sustentável, uma vez que diminui a emissão de CO2 no planeta. Para se ter uma ideia, a energia que se gasta para produzir uma tonelada de MLC é a mesma de um barril de petróleo, enquanto para fabricar uma tonelada de cimento são gastos cinco barris e para produzir o aço, 24 barris. E não podemos esquecer que as madeiras crescem de graça e, em vez de emitirem CO2, consomem.

 

No Comments

Post A Comment